Nem martelo nem bigorna, como sempre
desejei: as tardes à janela, sem vizinhos nem
ardis, a injustiça reduzida ao mecanismo
natural da bicharada, o lavradio do amor
a tempo inteiro.
Só me falta, para tudo
proteger em cobardia, uma campânula
de cego na cabeça, aprender a fechar os olhos
e ouvidos ao avanço hertziano da desdita.
Então serei feliz e integral como um cadáver.

SERÉM, 24 DE MARÇO, José Miguel Silva, Averno
12.00 euros

18268110_770297543134338_4789828510666773252_n
Advertisements